#1 FISIOTERAPIA: selecionando a carga e repetições

#1 FISIOTERAPIA:  selecionando a carga e repetições

Como selecionar a intensidade e as repetições certas para seus pacientes com dor na fisioterapia.

Qual a carga e número de repetições devo usar em pacientes com dor ou com limitações. Entenda alguns princípios para não cair no erro dos sempre 3 sereias 10. E aprenda estímulos que estimulam os tecidos do corpo a se regenerarem.

Você conhece o filme O Dia da Marmota ?? No filme, o personagem principal,  tem que reviver o mesmo dia indefinidamente até que finalmente faça tudo certo. Se você trabalha em um centro de reabilitação ou  academia, pode estar familiarizado com esse fenômeno. Muitas vezes, pode parecer que você pode caminhar pelo chão do estúdio de fisioterapia ou academia em um determinado horário em qualquer dia e ver os mesmos membros nos mesmos equipamentos fazendo os mesmos exercícios com a mesma quantidade de resistência.

A professora fisioterapeuta Jill Cook diz que nós fisioterapeutas subcarregamos  o sistema musculo esquelético e que os fisioterapeutas não entendem os princípios de sobrecarga, que não são claros de como a carga que os exercícios impõem sobre as estruturas para os fisioterapeutas. Possivelmente alguns fisioterapeutas nem sabem ser possível trabalhar com sobrecarga com pacientes que sentem dor e tem medo de mover ou outras condições. Existe até cultura de que resistência é lesivo, sem embasamento.

Fisioterapia qual carga usar
Fisioterapia treino com cargas, BFR blood flow restriction training alvaro alaor

 

Os protocolos de reabilitação  resistido mais comuns são pré-determinados e padronizados, o que apresenta limitações significativas. Os protocolos padronizados atuais na fisioterapia não aderem aos princípios científicos de treinamento de resistência, consideram fatores individuais ou levam em consideração a importância do treinamento individualizado. Atualmente, os programas de treinamento de resistência em caso de tendinopatia não atingem a intensidade e a dosagem necessárias, levando a altas taxas de recorrência [2].

Insanidade pode ser descrita como fazer a mesma coisa repetidamente, mas esperar resultados diferentes.  A infindável 3 series de 10 para todos os pacientes e clientes, sem objetivo sem especificidade. Maneiras simples, mas poderosas de aumentar o desempenho físico

O princípio da sobrecarga do design do programa de exercícios afirma que, para criar mudanças fisiológicas, um estímulo de exercício deve ser aplicado em uma intensidade maior do que o corpo está acostumado a receber. O corpo é uma maquina de adaptação e homeostase.

Um dos desafios mais comuns enfrentados pelo entusiasta a exercitar  é atingir um platô, onde o exercício parece não ter mais efeito e o corpo para de fazer alterações fisiológicas. Esse mesmo principio é infindáveis vezes visto na fisioterapia  quando não ouvimos:  “não consegui reabilitar com a fisioterapia vou ter que fazer cirurgia“.

Isso pode acontecer porque, assim como o Dia da Marmota descrita acima, fazer os mesmos exercícios com o mesmo peso para o mesmo número de repetições não criará uma sobrecarga suficiente para iniciar qualquer alteração fisiológica. Para causar uma adaptação com o treinamento resistido, é necessário realizar repetições suficientes para causar fadiga momentânea dos músculos envolvidos ou usar uma resistência pesada o suficiente para induzir fadiga após apenas algumas repetições.

Não acredite que os tecidos de seus pacientes não pode receber carga e por isso mesmo você o descarrega com subcargas isso não esta em acordo com mecanotransdução e a capacidade do fisioterapeuta de afetar a expressão genética por meio de forças mecânicas. [1, 3, 4, 5]

Uma carga pesada de alta intensidade aplica um estresse mecânico ao músculo, enquanto realizar um alto número de repetições cria um estresse metabólico significativo. Ambos os tipos de estresse podem estimular as reações fisiológicas relacionadas ao crescimento e definição muscular. Seja pela quantidade de peso utilizada ou pela realização de repetições até a fadiga, a demanda dos músculos envolvidos deve ser suficiente para iniciar tanto as adaptações neurológicas quanto estruturais.

Portanto, as duas variáveis ​​do desenho do programa mais intimamente relacionadas com o princípio da sobrecarga são a intensidade e as repetições. 

A intensidade e a magnitude da resistência usada e é comumente expressa como uma porcentagem do máximo de uma repetição (%1-RM) para um determinado levantamento. Outra maneira de descrever a intensidade é listar o número máximo de repetições que podem ser realizadas para um determinado levantamento. Por exemplo, se um indivíduo pode supinar 8 k para um total de 10 repetições e é incapaz de realizar outra repetição, então 8 kg é seu 10-RM. Qualquer método de descrição de intensidade pode ser usado para atribuir intensidades específicas para o exercício no programa de exercícios de um paciente ( cliente ) . E dentro do ambiente de fisioterapia também temos alguns avaliações específicas respeitando a dor e limites do paciente ( para aprender mais aconselho curso tendinopatia ou ebook gratuito  ) [6]

Uma repetição é uma ação única e individual dos músculos responsáveis ​​por criar movimento em uma articulação ou série de articulações. Uma repetição envolve três fases de ação muscular: alongamento excêntrico, que é uma pausa isométrica momentânea e encurtamento concêntrico. O número de repetições atribuído a um exercício indica o número de vezes que um indivíduo deve realizar aquele determinado movimento. Como mencionado acima, para criar a sobrecarga necessária para promover adaptações específicas, as repetições devem ser realizadas até que ocorra uma fadiga muscular momentânea.

Repetições e intensidade têm uma relação inversa; à medida que a intensidade aumenta, o número de repetições que um indivíduo é capaz de realizar diminui. Cargas de intensidade mais alta só podem ser executadas por algumas repetições, enquanto cargas de intensidade mais baixa podem ser movidas por um número relativamente alto de repetições antes que a fadiga se instale 1-RM. A tabela abaixo relaciona o número de repetições que podem ser realizadas em uma quantidade específica de intensidade para diferentes resultados de treinamento.

Antes de seguir com artigo gostaria se você acha os assuntos que eu trago interessante e estão te ajudando como profissional deixe seu email me mande comentário e assuntos que gostaria que eu trouxesse, será prazer te conhecer melhor e trocar ideia com você.

 

 

Volumes de treinamento recomendados para atingir objetivos específicos

Fisioterapia e cargas de treino
Fisioterapia Alvaro Alaor BFR, treino resistência de fluxo Qual a carga e número de repetições devo usar em pacientes com dor ou com limitações
  • A resistência de força é a capacidade de produzir e manter a força muscular durante um longo período de tempo.
  • Hipertrofia é o termo técnico para um aumento no tamanho (e definição) muscular.
  • A força máxima é a capacidade de gerar uma quantidade máxima de força muscular para um determinado exercício.
  • Potência é a capacidade de gerar uma magnitude significativa de força no menor tempo possível.

Vamos seguir aqui como principio geral de treinar um atleta, ou suponha que você recebeu paciente com tendinopatia que ama levantar peso, e aplique a sabedoria que pessoas descondicionadas tudo é feito em escala menor podendo a resistência ser seu próprio corpo.

A intensidade do exercício determinará o número de repetições que podem ser realizadas. Um exemplo, se um cliente tem como objetivo desenvolver hipertrofia (o termo técnico para definição muscular), ele deve usar intensidade suficiente por exercício para conseguir realizar apenas seis a 12 repetições, fatigando na repetição final. Se um cliente pode executar apenas 12 repetições com um determinado peso para um exercício, esse peso é o 12-RM. Assim que o cliente conseguir fazer mais de 12 repetições, o peso deve ser aumentado para que a faixa de repetições fique entre seis e 12. É importante observar que, se o objetivo do treinamento for melhorar o tônus ​​ou a definição muscular, os exercícios DEVEM ser realizados até a fadiga. . Esta é a única maneira de induzir a sobrecarga para criar essa resposta. Mas você não precisa levar a fadiga o tempo todo e principalmente individualize seu paciente e saiba as condições metabólicas dele.

Dada a popularidade dos programas de condicionamento físico de alta intensidade, é importante observar as faixas de repetições recomendadas para exercícios específicos de força. O treinamento para força muscular impõe enormes demandas metabólicas e mecânicas ao tecido muscular e pode fatigar rapidamente o sistema nervoso responsável por manter a mecânica adequada das articulações. Ao usar pesos pesados ​​para levantamentos técnicos baseados em força, como o snatch ou o clean-and-jerk, a faixa de repetições deve se concentrar na saída de força máxima para uma ou duas repetições e, no máximo, ser limitada a não mais que quatro ou cinco. O snatch e o clean-and-jerk são levantamentos tecnicamente exigentes. Se um indivíduo tentar executar muitos sem descanso ou recuperação suficiente, ele ou ela corre um risco significativo de lesão. Então o que lesa na maioria das vezes não são os pesos mas não saber manipular o amabiente para estimular os tecidos do cliente.

Se um cliente está interessado em melhorar o “tônus” muscular, existem duas opções de intensidade e repetições, cada uma das quais pode recrutar unidades motoras do tipo II (contração rápida) e fibras musculares responsáveis ​​por melhorar a definição :

  • Use uma carga de intensidade moderada (aprox. 67-85% 1-RM) para fadiga de seis a 12 repetições; ou
  • Uma carga de baixa intensidade em que o cliente realiza repetições até a fadiga (incapacidade de fazer outra repetição)

Dentro da fisioterapia existem técnicas que podemos trabalhar o tipo de fibras muscular e estresse metabólico mas é assunto para outro texto

Se um cliente está contratando você e dedicando tempo para participar de seu atendimento ele provavelmente está interessado em ver os resultados. Adicionar repetições ou aumentar a intensidade pode desafiar os clientes ou participantes da aula a trabalhar mais do que fariam sozinhos. A sobrecarga não precisa ser significativa, mas precisa ser consistente e eficaz para gerar resultados!

A professora Cook é a referencia quando assunto é conhecer o mecanismo celular da tendinopatia e reabilitação física e a recuperação  envolve princípios claros de carga, e muitas vezes se confunde para alguns fisioterapeutas eu os vejo fazendo atividades pliometria fora de hora numa onda de fisioterapia avançada. A professora Cook foi a convidada pelo Barcelona futebol clube a ocupar um capitulo inteiro do manual de tendinopatia deste clube.

Eu tenho um curso onde você vai aprender tudo sobre tendinopatia  , o que funciona o que não funciona e estes princípios de sobrecarga estão la, um dos cursos mais completos na lingua portuguesa que te colocara informado sobre tudo de tendiopatia, se você se considera profissional de ponta precisa fazer. para te esquentar tenho dois ebooks do assunto caso queira é somente me pedir .

Estes conceitos lançados por Cook tem revolucionada a fisioterapia,  regeneração celular e reabilitação e você não pode ficar fora disso. Caso você queira receber um ebook gratuito sobre erros e acertos da fisioterapia no tratamento da tendinopatia, ou tendinopatia em corredores  prencha formulário abaixo e me diga na mensagem qual dos dois você deseja 

https://alvaroalaor.com.br/os-exercicios-devem-ser-dolorosos-no-tratamento-da-dor-musculoesqueletica-cronica/

Resumindo

Para vários pesquisadores e profissionais de ponta no mundo nós como fisioterapeutas estamos subestimulando os tecidos em recuperação e precisamos aprender os conceitos que estimulam a mecanotransdução de forma correta. Nesse artigo abordamos dois dos mecanismos que podemos usar para manipular o tecidos e células para se adaptarem e melhorarem que são cargas e intendidade.

Tendinopatia alvaro alaor curso
Tendinopatia jogadores de futebol, Alvaro Alaor, Fisioterapia BFR, blood flow restriction training

Mais uma vez obrigado .

Alvaro Alaor Fisioterapeuta 33002

Tutorial sobre dor tardia do exercício

 

Referencias

* ACE https://www.acefitness.org/resources/pros/expert-articles/4922/how-to-select-the-right-intensity-and-repetitions-for-your-clients/?irclickid=Sr3xk-VUsxyITZmwaQybpw5JUkATFjUO6T20ws0&irgwc=1&clickid=Sr3xk-VUsxyITZmwaQybpw5JUkATFjUO6T20ws0&utm_channel=Affiliate_Marketing

[1] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26700270/

[2] https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphys.2021.704306/full#B295

[3] https://bjsm.bmj.com/content/43/4/247.long

[4] https://academic.oup.com/ptj/article/96/4/560/2686523?login=false

[5]https://academic.oup.com/ptj/article/96/5/712/2686418?login=false

[6] https://journals.lww.com/nsca-jscr/Fulltext/2023/04000/Maximizing_Strength__The_Stimuli_and_Mediators_of.22.aspx

Deixe uma resposta